Laserterapia alivia dores e aftas na boca de pacientes oncológicos

quarta-feira, dezembro 7, 2011 @ 03:12 PM
Autor: web

O tratamento realizado por dentistas, mas ainda desconhecido por pacientes, ajuda a reduzir os efeitos colaterais da quimioterapia e radioterapia e garante melhor qualidade de vida aos pacientes de câncer.

A odontologia avançada tem permitido aos dentistas não apenas detectar precocemente alguns tipos de câncer que se manifestam na boca, como também auxiliar no alívio da dor e no controle de efeitos colaterais da quimioterapia e da radioterapia.
O tratamento, embora com eficácia comprovada na literatura internacional, ainda é desconhecido por muitos pacientes oncológicos. Prova disso é que, embora a Faculdade de Odontologia São Leopoldo Mandic ofereça esse serviço desde 2008, apenas 20 pacientes foram submetidos à laserterapia até hoje.
A laserterapia consiste basicamente na aplicação de laser nas úlceras, edemas, inflamações e hemorragias decorrentes da radioterapia e quimioterapia. De acordo com levantamento realizado pelos professores dos cursos de Especialização e Capacitação em Laser da Faculdade de Odontologia São Leopoldo Mandic, cerca de 40% dos pacientes submetidos à quimioterapia e 100% dos que recebem radioterapia de cabeça e pescoço desenvolvem a mucosite oral (aftas na boca), manifestada na forma de edema, sangramento e eritema (inflamação) na cavidade bucal. Essas úlceras praticamente impedem a boa alimentação do paciente devido à dor que o paciente sente ao ter contato com o alimento ou bebidas.
“A Laserterapia alivia a dor e melhora a qualidade de vida do paciente ao permitir que ele passe a se alimentar mais adequadamente, tenha um aumento na salivação e melhore o paladar, ajudando em sua recuperação. A intensidade da dor é variável em cada paciente, mas, de maneira geral, essas úlceras (aftas) comprometem a mastigação de alimentos, levando, muitas vezes, à alimentação por sonda, e dificultam até a fala”, explica Daiane Thais Meneguzzo, coordenadora dos cursos de Especialização e Capacitação em Laser da Faculdade de Odontologia São Leopoldo Mandic, de Campinas.
Atendimento em uma das clínicas da Faculdade de Odontologia São Leopoldo Mandic
Segundo a especialista, a intensidade da mucosite pode ser um fator limitante, obrigando até mesmo a interrupção do tratamento oncológico e dificultando o controle da doença. Os tratamentos convencionais são paliativos e de eficácia bastante inferior aos benefícios alcançados pela laserterapia.
“A luz laser de baixa intensidade atua de forma indolor, alivia a dor e não apenas promove a aceleração da cicatrização das úlceras como, ainda, previne futuros episódios de mucosite oral”, explica.
Avaliação bucal
Daiane orienta os pacientes que serão submetidos ao tratamento oncológico para que consultem um cirurgião-dentista antes do início da quimioterapia ou da radioterapia para a avaliação da sua saúde bucal, visando, no caso do aparecimento da mucosite oral, a utilização da laserterapia para o tratamento ou prevenção de lesões.
De acordo com o INCA – Instituto Nacional do Câncer -, o Brasil deve registrar 489.270 novos casos de câncer neste ano, sendo 236.240 casos novos para o sexo masculino e 253.030 para sexo feminino.  As neoplasias (tumores) malignas constituem-se a segunda causa de morte na população brasileira, representando quase 17% dos óbitos de causa conhecida.
A laserterapia vem sendo realizada desde 2008 pelo Centro de Tratamento de Doenças da Boca da Faculdade da Faculdade São Leopoldo Mandic, em Campinas. Nesse período, somente 20 pacientes procuraram esta modalidade de tratamento.
O atendimento gratuito é feito aos pacientes que procuram pela faculdade, são encaminhados por profissionais ou que já estão em tratamento na própria faculdade. Para o atendimento é necessário o agendamento por meio do telefone (19) 3211-3700, de segunda a sexta, das 8h às 18h.
Laserterapia na SLMandic
A Faculdade de Odontologia São Leopoldo Mandic oferece todos os tipos de atendimentos com laserterapia e laser cirurgia (junto ao Centro de Tratamento de Doenças da Boca) voltados para a Odontologia. Segundo Daiane Thais Meneguzzo, coordenadora de cursos na área, os alunos de graduação em Odontologia contam, no último semestre, com 40h/aula de laser, abordando a laserterapia, laser cirurgia, clareamento dental com luz, diagnóstico óptico e terapia fotodinâmica, o que os prepara e os diferencia para o mercado de trabalho. No centro de pós-graduação da SLMandic são oferecidos os cursos de
Especialização em Laser e Capacitação em Laser. Os cursos são teóricos/clínicos e reconhecidos pelo MEC – Ministério da Educação. “Os cursos são indicados principalmente para profissionais que já possuem o equipamento laser e desejam aprender melhor suas aplicabilidades e conceitos”, indica Daiane.
A capacitação do profissional na área é fundamental para que o paciente possa usufruir de todos os benefícios que o laser oferece. “A grande dificuldade na laserterapia não está no manuseio dos equipamentos, que estão cada vez mais simplificados e portáteis, mas na dosimetria, ou seja, saber a dose a ser irradiada em cada situação clínica e adequá-la para cada paciente. Esta dose pode variar de acordo com a lesão, paciente e equipamento utilizado. Apenas o profissional capacitado terá resultados clínicos satisfatórios. Um exemplo é o tratamento da herpes, cujas vesículas podem até ser agravadas se uma dosagem errada de laser for aplicada”, diz Daiane Meneguzzo.
Aplicações
A laserterapia é indicada para acelerar a cicatrização, modular a inflamação, promover analgesia (alívio na percepção da dor) e, quando associada a um corante, tem ação antimicrobiana. Por isso, é utilizada em praticamente todas as especialidades odontológicas. “Em cirurgias orais, por exemplo, a laserterapia complementa a técnica convencional, melhorando o pós-operatório, diminuindo a dor e o edema e acelerando a cicatrização. No entanto, outros tratamentos já são realizados com o uso exclusivo do laser, como a prevenção e o tratamento de aftas e herpes simples, neuralgia do trigêmio (tipo de dor que afeta o 5º nervo do crânio, que inerva a maior parte dos tecidos orais e faciais), parestesias, paralisias faciais (sensações estranhas, como entorpecimento, formigueiro e dor), xerostomia (secura da boca) etc.”, explica Daiane Meneguzzo.
Por meio da laserterapia, além da mucosite oral, o dentista pode realizar os seguintes tratamentos: hipersensibilidade dentinária; aceleração da cicatrização, redução do edema e analgesia pós-cirúrgica (exodontias, implantodontia, cirurgias periodontais e endodônticas); disfunção da ATM (articulação têmporomandibular) com efeito analgésico, antiinflamatório e relaxante muscular; prevenção e tratamento da herpes simples e aftas recorrentes; tratamento de estomatite herpética primária; cicatrização e estimulação das glândulas salivares (para casos de xerostomia: falta de saliva); estimulação da movimentação ortodôntica e redução da inflamação e dor pós ativação do aparelho ortodôntico; tratamento de lesões nervosas: parestesia, neuralgia do trigêmio e paralisia facial; ação antiinflamatória e de cicatrização pós-raspagem periodontal e pós-instrumentação endodôntica; ação antimicrobiana em bolsas periodontais e canais radiculares – quando utilizada a técnica Terapia Fotodinâmica (PDT), que associa o laser vermelho com um corante fotossensível; tratamento de alguns tipos de disgeusia (alteração de paladar); aceleração da osseointegração na implantodontia; neoformação e bioestimulação óssea em defeitos ósseos; aumento da microcirculação local, sendo favorável na enxertia e em tecidos com falta de suprimento sanguíneo.
Sobre a Faculdade São Leopoldo Mandic
Melhor Faculdade de Odontologia do Brasil pelo quarto ano seguido, a São Leopoldo Mandic figura entre as 10 instituições de ensino superior do Brasil classificadas no Índice Geral de Cursos (IGC), divulgado pelo MEC.
Ao contrário das demais instituições de ensino superior de todo o Brasil, que iniciaram suas atividades com cursos de graduação para só depois implantarem cursos de pós-graduação, a Faculdade de Odontologia São Leopoldo Mandic começou a traçar sua trajetória de sucesso de forma inversa a estas, tendo como base a pesquisa.
Estruturada com laboratórios de última geração, salas de aula modernas, um centro de radiologia com equipamentos digitais, tomógrafo e clínicas para o ensino prático da profissão, frequentemente a instituição serve de palco para que seus estudantes adquiram experiências enriquecedoras, além de fortes atividades de pesquisa e a prestação de serviços comunitários.

Comments are closed.